Análise: sinalizadores e apito tiram vitória garantida do Palmeiras
16/06/2016 09:12 em Esporte

Análise: sinalizadores e apito tiram vitória garantida do Palmeiras

Verdão desperdiça chance de vencer quarta partida seguida no Campeonato Brasileiro e sair do Paraná com três pontos. Pausa causada pela torcida fez diferença

Dizer que uma pausa de quatro minutos por conta de sinalizadores ajudou a determinar o resultado da partida entre Coritiba e Palmeiras, no Couto Pereira, parece raso, mas passa longe disso. Com a vantagem no placar, o Verdão foi prejudicado por parte de sua própria torcida e sofreu o gol do empate por 2 a 2 aos 49 minutos do segundo tempo.  

O time jogou dois pontos no lixo após as alterações de Cuca surtirem efeito na etapa complementar e colocarem o Verdão em vantagem até os acréscimos. Nem mesmo dormir na liderança aliviou a frustração dos palmeirenses. 

A equipe de Cuca estava à frente do placar quando os torcedores acenderam os artefatos proibidos nas arquibancadas e o árbitro Anderson Daronco, de maneira correta, interrompeu a partida. Atrapalhado por inúmeros erros e limitações, o Coritiba parecia entregue. Provou o contrário quando Evandro, em posição irregular, ajeitou para Leandro chutar de fora da área e colocar no canto esquerdo do gol defendido por Fernando Prass. 

O que mais chama a atenção no lance, como destaca a imagem abaixo, é o posicionamento perfeito do auxiliar Rafael da Silva Alves (do Rio Grande do Sul, aspirante à Fifa). O lance é complicado e rápido, mas o profissional se encontrava no melhor lugar possível para visualizá-lo.

A irritação de Cuca (clique aqui e assista) após a partida é justíssima. O técnico soube ler o jogo no intervalo, detectou os erros do Palmeiras no primeiro tempo e voltou para a etapa final com uma equipe diferente. Assim como no clássico contra o Corinthians, no último domingo, não teve medo de mudar a disposição tática de sua equipe. Ousou e estava sendo premiado até duas interferências, a da torcida e a da arbitragem, atrapalharem.

Nos primeiros 45 minutos, o Palmeiras teve Moisés na armação, e não funcionou. Rafael Marques não se achou centralizado, nem pelos lados. Desarrumado em campo, o Verdão não conseguiu criar. As laterais, que normalmente são escape em situações assim, não funcionaram: o time passou toda a primeira etapasem fazer uma única jogada pelas alas. Os passes curtos deram lugar a lançamentos longos – como o de Thiago Santos para Róger Guedes, que abriu o placar. 

O empate do Coritiba veio em um dos muitos "apagões" da defesa ao longo da partida. Vitor Hugo e Thiago Martins estavam excepcionalmente atrapalhados. No lance em que João Paulo cabeceia para o gol, Vitor e Thiago Santos não marcam ninguém, e o volante adversário sobe para balançar as redes.  

Na volta para o segundo tempo, Thiago Santos, com cartão amarelo, foi o escolhido para a primeira substituição. Cuca lançou Cleiton Xavier para a armação e recuou Moisés. A criação melhorou. O volume aumentou. A posse de bola foi favorável ao Palmeiras durante toda a partida (terminou com 59%, mas chegou a 63%).

O segundo gol veio em cobrança de lateral de Moisés, desvio de Vitor Hugo e finalização de Cristaldo – mais um acerto de Cuca, que o lançou em campo mesmo após três meses sem atuar. A última partida do argentino, que esteve próximo de deixar o clube, havia sido no dia 9 de março, derrota por 2 a 1 para o Nacional, do Uruguai. 

Os erros do Coritiba se multiplicavam e tudo levava a crer que o Palmeiras sairia com os três pontos do Couto Pereira. Edu Dracena entrou na vaga de Róger Guedes, para segurar. A já citada pausa por conta dos sinalizadores esfriou a partida. Deu um último fôlego aos donos da casa para, mesmo em um lance irregular, evitarem a derrota.

Discutir a validade da proibição da pirotecnia é outro assunto. Passar por cima da regra, questionável ou não, é infração. E atrapalhou os planos de uma equipe que mostra ter potencial para chegar ao título brasileiro - e para isso precisa de vitórias fora de casa. 

Se o ponto conquistado (ou seriam dois perdidos?) frustra, a tabela anima. O Palmeiras terá dois jogos consecutivos em casa, contra Santa Cruz (atual nono colocado, com 11 pontos) e América-MG (lanterna, com cinco). Na arena, o retrospecto de Cuca é perfeito: são cinco vitórias em cinco jogos, com 13 gols marcados e nenhum sofrido. 

Crédito: Globo Esporte

COMENTÁRIOS