Fotos mostram superlotação em hospitais referência da Olimpíada
20/07/2016 10:46 em Brasil

Fotos mostram superlotação em hospitais referência da Olimpíada

Cremerj diz que locais não têm condições de receber novas internações. Secretaria diz que relatório é superficial e 'desvinculado da realidade'.

O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) vistoriou os cinco hospitais municipais que serão referência na Olimpíada Rio 2016. De 5 a 11 de julho, os fiscais estiveram nos hospitais Souza Aguiar, Salgado Filho, Miguel Couto, Albert Schweitzer e Lourenço Jorge. Em todas as unidades, os médicos afirmam que os locais não possuem condições de absorver novas internações. Eles destacaram o alto número de pacientes internados de maneira improvisada. A Secretaria Municipal de Saúde nega (veja a nota no fim da reportagem).

No Hospital Souza Aguiar, no Centro, unidade de referência para a área do Maracanã, os fiscais do Cremerj contam que a sala de emergência, destinada a adultos com média e alta gravidade, estava superlotada.

Na sala de emergência pediátrica também não havia leitos livres, segundo o relatório. Alguns pacientes estavam internados, de forma improvisada, em cadeiras, poltronas e macas de transporte na emergência. A fiscalização foi em 5 de julho.

Os fiscais também identificaram a falta de alguns medicamentos e de equipamentos para monitorar o estado de saúde de pacientes em estado grave.

Na vistoria no Hospital Salgado Filho, no Méier, vistoriado em 7 de julho, os fiscais encontraram superlotação e pacientes graves internados em unidades intermediárias, como mostrou o G1. Além disso, os médicos também encontraram pessoas internadas nos corredores e medicamentos fora do prazo de validade.

No Hospital Miguel Couto, no Leblon, também fiscalizado em 7 de julho, os profissionais do Cremerj encontraram salas de emergências destinadas a pacientes adultos de média e alta gravidade apresentavam ocupação acima de sua capacidade. O Centro de Terapia Intensiva (CTI) e a Unidade Coronariana (UCO) estavam com todos os leitos ocupados.

Na Coordenação de Emergência Regional (CER) Leblon, unidade anexa ao Miguel Couto, a sala de emergência para pacientes adultos de média gravidade estava superlotada. Havia cinco pacientes com condições de alta no CTI, que não puderam ser transferidos para a clínica médica por falta de leitos. Os médicos que participaram da fiscalização também ressaltaram a falta de equipamentos para o monitoramento do estado de saúde de pacientes graves.

Escala desfalcada

Segundo o Cremerj, o Hospital Lourenço Jorge, que é referência para os eventos que acontecerão na Barra da Tijuca, não conta com atendimento de urgência e emergência em neurocirurgia, sendo necessário o transporte do paciente até o Hospital Municipal Miguel Couto para ser avaliado. A unidade foi fiscalizada em 8 de julho.

Ainda segundo os médicos, as salas de emergência destinadas a pacientes adultos com média e alta gravidade estavam superlotadas; três pacientes estavam internados no corredor da emergência; unidade semi-intensiva estava desativada por conta da falta de pessoal; faltavam médicos também no CTI e equipamentos para atenção aos pacientes graves; e o aparelho de endoscopia digestiva estava quebrado havia mais de seis meses.

No Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, fiscalizado dia 11 de julho, o Cremerj também encontrou superlotação. De acordo com o que foi informado aos fiscais, houve redução da equipe médica plantonista em todas as especialidades. 

Os médicos destacaram a falta de profissionais no CTI adulto e, durante a fiscalização, havia apenas um pediatra de plantão. O setor de emergência está em obras e a sala de trauma contava com tapumes e espaço considerado insuficiente entre os leitos. O local conta com dois pacientes sob custódia judicial.

Relatório gera controvérsia

O vice-presidente do Cremerj, Nelson Nahom, afirma que os profissionais do Cremerj chegaram a levar o relatório com os apontamentos sobre o parecer a entidade sobre os cinco hospitais municipais da cidade para o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, mas afirma que foram acusados de estarem elaborando um parecer político.

“Pedimos a reunião há 30 dias, ele que relutava em marcar. Não foi uma atitude polícia, a nossa visão é técnica. A realidade é que a situação da saúde do Rio é muito ruim”, explicou Nahom.

Resposta prefeitura

Procurada pelo G1, a Secretaria Municipal de Saúde questionou a versão do Cremerj e disse que só foi procurada 11 dias após a divulgação do relatório.

O órgão afirmou que trabalha em parceria com o Ministério da Saúde, a Secretaria Estadual de Saúde, a Empresa Olímpica e o Comitê Rio 2016 há quatro anos em um plano de operação para a Olimpíada, com mais de 1,5 mil profissionais envolvidos, sem a contribuição do Cremerj e, por isso, questiona o plano do conselho.

Ainda segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o relatório do Cremerj seria superficial e desvinculado da atual realidade do sistema público de saúde.

Crédito: G1 Globo

COMENTÁRIOS